Arquivos

As 5 Linguagens do Amor, de Gary Chapman

tumblr_mcgp23jkzf1rb4xtso1_500

Escolhi esse gif porque amo esse filme hehe ❤

Olá, pessoal, tudo bem com vocês?

Em vez em quando aparece lá em casa livros sobre relacionamento, casamento, namoro, essas coisas, mas eu não tenho muito costume de lê-los.

Mas já ouvi tanta gente falar (bem) do livro “As 5 linguagens do Amor“, de Gary Chapman, que quando apareceu a oportunidade, o li de coração aberto.

Gary Chapman é pastor, casado e também faz um trabalho de aconselhamento a casais. Então, foram muitos anos ouvindo experiências, aconselhando, vendo o que dava certo e o que não dava.

E foi com essa experiência que ele começou a pensar sobre as linguagens do amor.

No livro ele conta como cada pessoa tem uma forma de demonstrar amor. Bem, isso eu já tinha notado. Mas a novidade para mim foi ouvir/ler que cada um também tem uma forma de receber amor, de se sentir amado.

Talvez seja por isso que a gente costuma dizer: fulano não me ama! Isso geralmente acontece porque a forma de fulano demonstrar/dar amor não é a forma que eu recebo/percebo o amor. E é essa diferença que causa tantas confusões nos relacionamentos, levando também aos rompimentos.

Então, com esse objetivo, de ajudar as pessoas em seus relacionamentos, Gary explica as linguagens do amor e a importância de reconhecermos a linguagem do outro. E não basta entender o outro, de saber o que faz com que ele se sinta amado. É necessário dedicação e esforço em demonstrar/dar o amor de acordo com o que o outro percebe como tal.

“Quando o “tanque do amor” emocional de seu cônjuge está cheio e ele se sente seguro de seu amor, o mundo todo fica mais claro e ele caminha para atingir o mais alto potencial de sua vida. Porém, quando este “reservatório” está vazio e ele se sente usado e não amado, o mundo todo parecerá escuro e não conseguirá utilizar seu potencial de vida”.

Que desafio, hein? Mas acho que em prol de manter um relacionamento (que seja saudável, claro) vale sim o esforço!

Vamos lá saber quais são as 5 linguagens do Amor:

  1. Palavras de Afirmação
  2. Qualidade de tempo
  3. Receber Presentes
  4. Formas de Servir
  5. Toque Físico.

Cada pessoa tem a sua linguagem. Por exemplo, tem gente que vai se sentir muito amado ao ver o cônjuge fazendo uma tarefa simples em casa, como lavar a louça (linguagem formas de servir). Uma esposa poderá se sentir muito amada ao receber uma flor (linguagem receber presente). Um marido se sentirá muito amado ao ouvir como suas conquistas no trabalho são importantes para toda a família (linguagem palavras de afirmação). Um se sentirá amado em passar tempos juntos, recebendo total atenção (linguagem qualidade de tempo). E haverá aquele que poderá ouvir milhares de declarações mas só perceberá que há amor se for abraçado e receber um cafuné (linguagem toque físico). Ah, e pode sim haver combinações, mais de uma, ou seja, minhas linguagens do amor são x e y.

E sobre cada uma dessas linguagens, Gary traz situações reais para exemplificar, e traz seus conselhos, muitos deles bem simples.

Então, apesar do livro estar focado no relacionamento conjugal, consegui ver que muitos dos princípios podem ser aplicados em qualquer relacionamento: entre pais e filhos, entre amigos. Ou seja, no fim, a leitura deste livro me foi útil, não precisarei esperar um casamento para usar esses princípios rsrs Gostei bastante!

Apenas alguns dos trechos grifados:

“Há pessoas que misturam o dia de hoje com o de ontem. Insistem em trazer para o p10278_ggpresente os fracassos do passado e, ao fazerem isso, estragam um dia potencial maravilhoso”.

“O perdão não é um sentimento, mas um compromisso. É a opção de se mostrar misericórdia e não de se jogar a ofensa no rosto do ofensor. Perdão é uma expressão de amor”.

“Ninguém gosta de fazer as coisas forçadamente. O próprio amor é entregue espontaneamente. O amor não pode ser obrigatório”.

“O amor não apaga o passado, mas altera o futuro”.

O livro foi publicado em 97 e fez tanto sucesso, que acabou rendendo algumas variações, como: As 5 linguagens do amor (para adolescentes); As 5 linguagens do amor das crianças; As 5 linguagens da valorização pessoal no ambiente de trabalho.

E você, já conhecia esse livro? Ou tem algum para indicar que tenha esse mesmo foco?

Que o amor seja nossa linguagem!

Bjs,
Alê.

 

Anúncios

O Poder do Hábito, de Charles Duhigg

Olá, Pessoal. Hoje vamos falar sobre esse livro quase de cabeceira rsrs, chamado O Poder do Hábito, de Charles Duhigg.

E como sempre, eu atrasadinha, só o li agora!

Bem, como compartilhei nesse outro post aqui, minhas rotinas mudaram recentemente e eu vou ficando louquinha para dar conta de tudo. Mas ultimamente, não estou dando! Assim que chego do trabalho, por volta das 18h30, faço algumas coisas básicas de sobrevivência (banho, jantar), e pronto: cama, aí vou eu! Às vezes, até rola um singelo episódio de série, mas na maioria das vezes, o que rola mesmo é um sono profundo.

Sério! Tenho tanto sono, que me dá até vontade de chorar. Falta disposição, ânimo, vitamina, sei lá mais o quê. Juraram para mim que fazer uma atividade física poderá me dar mais disposição. Pois bem, há 2 semanas, visitei 2 academias, comprei roupa de ginástica, comprei tênis. Mas e a coragem, onde compro? Nem fui ainda na 1ª aula, para desgosto de minha mãe, sister, amigos apoiadores e meu também.

Então, foi assim, que busquei desesperadamente na leitura desse livro um Super Poder Mágico para mudar os maus hábitos (como o da procrastinação). Claro, não o encontrei! Mas aprendi um pouco sobre como o cérebro cria e lida com os hábitos, como é possível modificá-los, conheci histórias interessantes e, graças a Deus, encontrei algumas dicas bacanas e úteis (desde que eu as aplique).

“Transformar um hábito não é necessariamente fácil nem rápido. Nem sempre é simples. Mas é possível.”

A parte teórica e científica do assunto, de qual parte do cérebro estamos falando etc, nem me arriscarei a explicar aqui. Mas uma coisa interessante que compartilho é que as rotinas são importantes e necessárias para poupar energia do cérebro, para não termos que tomar uma decisão a todo instante. Por isso, escovar os dentes pela manhã e dirigir são ações que se tornam automáticas (imagina só se toda manhã você tivesse que se “lembrar” de escovar o dentes antes de sair de casa!).

O hábito passa por um processo de 3 etapas, conhecido como Loop do Hábito:

“Esse processo dentro dos nossos cérebros é um loop de três estágios. Primeiro há uma deixa, um estímulo que manda seu cérebro entrar em modo automático, e indica qual hábito ele deve usar. Depois há a rotina, que pode ser física, mental ou emocional. Finalmente, há uma recompensa, que ajuda seu cérebro a saber se vale a pena memorizar este loop específico para o futuro”.

Ok, e como mudar um hábito?! No livro, Duhigg aborda estudos e experiências, e a boa notícia: os hábitos podem ser ignorados, alterados ou substituídos. Para isso, é preciso reconhecê-los, e então, identificando qual é a deixa e a recompensa, a rotina pode ser substituída por outra (melhor, mais saudável). Aí está a Regra de Ouro:

“Para mudar um hábito, você precisa manter a velha deixa e oferecer a velha recompensa, mas inserir uma nova rotina. Eis a regra: se você usa a mesma deixa, e fornece a mesma recompensa, pode trocar a rotina e alterar o hábito. Quase todo comportamento pode ser transformado se a deixa e a recompensa continuarem as mesmas”.

Exemplo de uma mudança de hábito:

habito

O livro traz muita coisa bacana, mas aqui no post, só um pouquinho mesmo do que li. Vale a leitura do livro!

Por fim, como qualquer mudança na nossa vida, o compromisso e a disciplina se fazem necessários (será que tem algum livro O Poder da Disciplina?). E ao longo do caminho, sem dúvida, vamos lidando com os fracassos e, também, as vitórias. Um dia por vez. Só não vale desistir. E acredito que o mais importante eu já fiz: assumir que há mudanças que devo tentar.

Na esperança de mudar alguns hábitos,

Um beijo!

Alê

 

Sinopse

Durante os últimos dois anos, uma jovem transformou quase todos os aspectos de sua vida. opoderdohabitoParou de fumar, correu uma maratona e foi promovida. Em um laboratório, neurologistas descobriram que os padrões dentro do cérebro dela – ou seja, seus hábitos – foram modificados de maneira fundamental para que todas essas mudanças ocorressem. Há duas décadas pesquisando ao lado de psicólogos, sociólogos e publicitários, cientistas do cérebro começaram finalmente a entender como os hábitos funcionam – e, mais importante, como podem ser transformados. Embora isoladamente pareçam ter pouca importância, com o tempo, têm um enorme impacto na saúde, na produtividade, na estabilidade financeira e na felicidade.
Com base na leitura de centenas de artigos acadêmicos, entrevistas com mais de trezentos cientistas e executivos, além de pesquisas realizadas em dezenas de empresas, o repórter investigativo do New York Times Charles Duhigg elabora, em ‘O Poder do Hábito’, um argumento animador: a chave para se exercitar regularmente, perder peso, educar bem os filhos, se tornar uma pessoa mais produtiva, criar empresas revolucionárias e ter sucesso é entender como os hábitos funcionam. Transformá-los pode gerar bilhões e significar a diferença entre fracasso e sucesso, vida e morte.
Duhigg conclui por que algumas pessoas e empresas têm tanta dificuldade em mudar, enquanto outras o fazem da noite para o dia. Descobre, por exemplo, como hábitos corretos foram cruciais para o sucesso do nadador Michael Phelps, do diretor executivo da Starbucks, Howard Schultz, e do herói dos direitos civis, Martin Luther King, Jr.: “Eles tiveram êxito transformando hábitos. Todos começam com um padrão psicológico. Primeiro, há uma sugestão, ou gatilho, que diz ao seu cérebro para entrar em modo automático e desdobrar um comportamento. Depois, há a rotina, que é o comportamento em si. Para alterar um hábito, é preciso modificar os padrões que moldam cada aspecto de nossas vidas. Entendendo isso, você ganha a liberdade – e a responsabilidade – para começar a trabalhar e refazê-los”, diz o autor.
Um dos exemplos citados pelo autor diz respeito a ele próprio. Duhigg explica como conseguiu parar de consumir cookies no meio do dia de trabalho ao compreender o hábito que o levava diariamente a uma cafeteria para comê-los, mesmo sem fome – as visitas diárias ao lugar ocorriam por necessidade de socialização. “Refiz o hábito e, agora, pelas 15h30, levanto da minha mesa e procuro alguém para conversar por 10 minutos. E não como um cookie há seis meses”, conta ele. A prática é um dos segredos para a mudança: “Tarefas que parecem incrivelmente complexas no início, como aprender a tocar violão e falar uma língua estrangeira, podem se tornar muito mais fáceis depois de executadas inúmeras vezes. Maus hábitos, como fumar e beber demais, são superados quando aprendemos novas rotinas e a praticamos incessantemente.”
Há ainda, segundo Duhigg, os chamados “hábitos mestres”, capazes de desencadear uma série de reações no modo da pessoa organizar sua própria vida. Um bom exemplo de um hábito mestre é o exercício físico. “Quando as pessoas começam a se exercitar regularmente, começam a mudar outros comportamentos que não estão relacionados à atividade física. Passam a comer melhor e a levantar da cama mais cedo. Fumam menos e se tornam mais pacientes. (…) Não está completamente claro porque isso ocorre, mas está provado que exercício é um hábito mestre, que propaga mudanças em todos os aspectos da vida.

Ficha Técnica
O Poder do Hábito
Autor: Charles Duhigg
Editora: Objetiva
Pág: 408
Ano: 2012
ISBN: 9788539004119

A Tríade do Tempo, de Christian Barbosa

Olá!!! Você tem tempo? O post de hoje é sobre o livro A Tríade do Tempo, de Christian Barbosa. Mas antes de falar sobre ele, faz-se necessário um pequeno relato pessoal.

De segunda a sexta, trabalho. E pra valer. No que estou agora comecei há poucos dias, com novos desafios, sendo que um deles é que fica mais longe de casa do que o anterior, ou seja, mais tempo no percurso ida e volta, metrô cheio, essas coisas. Aos sábados, faço aula de inglês, mas durante a semana também separo alguns períodos para estudar (sério, é uma questão de honra: um dia eu terei domínio dessa língua!).

Sou cristã, tenho minhas práticas devocionais diárias e participo ativamente de uma igreja. Isso significa que além de ir aos cultos, estou envolvida com atividades administrativas, boletins, eventos e até limpeza do templo.

Escrever é minha paixão. Escrevo para esse Blog, e como o tema dele é livros, sempre estou com um (ou dois) em mãos. Escrevo poesias para meu outro Blog. E participo de um projeto literário com uma amiga, em que trocamos textos regularmente, com o desafio de um novo tema por vez (mera informação: textos escritos à mão e enviados via correio).

Sou filha, amiga, tia, irmã. O que envolve algumas tarefas domésticas, contar à minha mãe sobre meu dia e ouvi-la contar pela 3ª vez sobre a vida de alguém que não faço ideia de quem é, assistir um pouco de Datena e Rezende com meu pai, encontrar amigos, ligar para aqueles que não consigo encontrar, brincar com crianças, tardes de domingo em família, fazer companhia, bater papo com a irmã antes de dormir, fazer favores.

Sou viciada em séries. Estou assistindo duas simultaneamente, e aguardando que novas temporadas de outras quatro séries sejam disponibilizadas na Netflix. Adoro ler. Então, além dos livros, há 1 revista mensal, 1 bimestral, diversas newsletters e os posts dos amiguinhos daqui que quase não perco nenhum. E há ainda os filmes, os momentos de ouvir música, de pensar na vida, acompanhar o facebook, de sair, de não fazer nada, de dormir.

Você deve estar pensando: nossa, como ela dá conta de tudo isso? 

Pois a verdade é que não dou conta. Ou pelo menos, não com a qualidade que gostaria. Não do jeito que gostaria. Frequentemente, negligencio uma coisa em detrimento de outra. Há semanas que me enrolo toda, fazendo minha lista de tarefas ficar louquinha. Em muitas vezes sinto um cansaço mental que me faz querer sumir. Foi em um desses momentos que, recentemente, precisei abrir mão de um freelancer que estava equilibrando há mais de um ano.

E mesmo dando mais ou menos conta de tudo isso, há muitas outras coisas que ainda não consegui encaixar na rotina. Não consigo arranjar tempo para uma atividade física (meu patins olha para mim desconsolado), fazer um trabalho voluntário regular, aprender um outro idioma (francês) e o que mais me entristece: não consigo dedicar tempo a escrever meu primeiro livro (tenho projetos de 3 livros, todos na cabeça, e apenas alguns rascunhos escritos).

Acontece que sou de uma geração que tem muito o que fazer, muito para conhecer, muito para saber. É o filme que lançou e precisamos assistir! É o novo aplicativo que precisamos instalar e usar! É o assunto da vez! É o novo lugar para ir! São os 400 “amigos” com quem precisamos nos relacionar (curtir, comentar…). De verdade, tento não ir nessa onda, mas quando vejo, estou sendo arrastada.

Por isso, a importância de apertarmos o botão de stop e considerarmos se tudo o que está consumindo nosso tempo é realmente o que nos levará para onde queremos ir.

O livro A Tríade do Tempo tem esse propósito, nos mostrar como usar o tempo a favor de nossos sonhos e objetivos. Confesso que apesar de ter grifado e concordado muito com ele, ainda falta muito para eu aplicá-lo totalmente.

Bem, de forma a “não perder mais tempo” rsrs, vou listar alguns realces do livro. Bora lá!

– Quem você é? Qual a sua missão? Qual o seu sonho?
Sabendo claramente esses pontos, terá como direcionar seu tempo e fazer o que é realmente importante para você. Com seu sonho em vista, faça escolhas que contribuam para que ele se torne real. Sonhar, planejar e agir!

– Gerenciar o tempo nada mais é do que a habilidade de fazer escolhas
Por exemplo, abrir mão do freelancer foi uma escolha (dolorida, principalmente para o meu bolso e para o cliente). Eu estava dando conta, cumprindo com as responsabilidades, fazendo um bom trabalho. Mas estava consciente de que não estava fazendo o melhor e isso me matava.

– Saiba distinguir o que é importante, urgente e circunstancial
Importante: são pessoais, tem importância para mim e nem sempre para os outros; proporcionam prazer ao serem executadas; trazem resultado positivo; em geral, são espontâneas.
Urgente: são tarefas que devem ser feitas imediatamente; geram estresse; geralmente são atividades negligenciadas; acabam preenchendo o dia, fazendo-nos dizer “estou na correria”.
Circunstancial: qualquer atividade que você é levado a fazer em função de uma situação, condição, ambiente ou de outra pessoa – independentemente da sua vontade; quando não toma decisões e deixa a vida seguir\levar; coisas feitas em excesso e o levam a perder tempo desnecessariamente; são aceitas por educação, condições ou medo de dizer não; geram sensação de insatisfação, saturamento, angustia e decepção.

O livro traz um teste que ajuda a distinguir como o tempo está sendo usado. Na época que fiz (2013), não foi nada bonito o resultado. A maior parte do meu tempo eram para coisas circunstancias.– Administração pessoal é a busca da qualidade de vida de forma a priorizar as atividades importantes e ter uma vida equilibrada das quatro dimensões do ser humano – físico, mental, emocional e espiritual

– É necessário reservar tempo para você mesmo, para curtir as coisas boas da vida, apreciar e agradecer tudo o que tem

Esses foram apenas alguns pontos destacados, mas o livro traz muito mais. Traz dicas ótimas sobre gerenciamento de tarefas, planejamento, organização, como lidar com interrupções, como evitar a procrastinação. Vale a leitura! Vale muito mais a aplicação do que se leu!!!

Minha oração (sim, uma oração) é que possamos aprender a usar o tempo de forma sábia e proveitosa.

“Acima de tudo, nunca se esqueça das pessoas importantes da sua vida. Não há dinheiro no mundo que pague o valor que elas possuem. É preciso dedicar tempo para viver seus relacionamentos de forma intensa e prazerosa. Pode ser a diferença entre uma vida fracassada e uma bem-sucedida. – Christian Barbosa”

Sinopse
Considerado o maior especialista em gestão do tempo no Brasil, Christian Barbosa oferece uma solução definitiva para quem deseja uma vida mais equilibrada, voltada para a realização dos seus sonhos.
Com base em uma pesquisa realizada com mais de 42 mil pessoas em todo o mundo, ele apresenta um inovador método de planejamento pessoal que vai ajudar você a organizar sua vida e se tornar mais produtivo.
A partir do conceito de que o tempo se divide em três esferas – importante, urgente e circunstancial –, o autor ensina como equilibrá-las para melhorar seu desempenho e como agir caso você esteja desperdiçando energia demais na esfera errada. 
A prática dessa metodologia, já testada e aprovada por milhares de pessoas, vai permitir que você encontre um momento para respirar entre uma tarefa e outra e consiga se dedicar ao que é realmente importante para sua vida.
A Tríade do Tempo traz ferramentas modernas que podem ser colocadas em prática tanto por quem utiliza agendas convencionais quanto por quem prefere soluções tecnológicas. Além disso, com este livro, você vai:
A-triade-do-tempo
• Aprender efetivamente a equilibrar vida pessoal e profissional.

• Identificar em que atividades está desperdiçando seu tempo.
• Realizar projetos baseados em seus planejamentos.
• Definir metas e estabelecer prazos para executá-las.
• Evitar reuniões desnecessárias e outros compromissos inúteis.
• Gerenciar seu e-mail e informações de uso pessoal.
• Descobrir novas ferramentas para gerenciamento de equipes.


Ficha Técnica
A Tríade do Tempo
Autor: Christian Barbosa
Editora: Sextante
Ano: 2011
Pág: 256
ISBN: 9788575427248